Links 24-03-08

O Custódio do dinheirooportunidade.com fala de três razões porque os nossos negócios podem falhar. Um texto a ler se queremos evitar isso.

O Kanhas do kanhas.com escreve um pouco sobre a ligação entre o sucesso e a felicidade. Se formos felizes temos mais probabilidades de sermos bem sucedidos.

O Ganha do ganhar-online.com fala sobre a sua experiência em promover o seu blog offline e dá algumas sugestões de como o podemos fazer.

Para descontrair um bocado o autor do estoufarto.com apresenta o dicionário das mulheres. O que elas dizem e o que realmente querem dizer.

O que importa num theme.

Depois de um tempo a usar este theme já começo a ficar um pouco farto dele até porque tem alguns limites em coisas que quero mudar.

O que me dizem? Gostam dele ou também já mudavam?

Já andei a pesquisar por alguns e não sei qual escolher. Tem algum theme que gostem e que achassem que ficasse bem aqui no blog?

Para também ver a vossa opinião sobre o que mais importa num theme criei uma pequena votação que espero que participem:

[poll=3]

Se votarem “outro aspecto” digam por comentário qual é.

Melhorar o ranking com diferentes anchor texts.

Quando falamos de SEO (optimização para os motores de busca) todos sabemos o valor que os links podem ter. Todos nós usamos trocas de links e sempre que possível tentamos ganhar mais alguns links que nos podem trazer visitantes e uma melhor reputação aos olhos dos motores de busca. Para os motores de busca cada link funciona como um voto e quantos mais votos tivermos melhor será a classificação nas pesquisas isto se os links forem de qualidade e não forem penalizados pelo google por exemplo.

Provavelmente existem mais algumas formas de fazer trocas de links mas normalmente são usadas estas três que têm diferentes classificações para os motores de busca: Os links num sentido (one-way links), a vulgar troca de links (reciprocal links) e a troca de links indirecta (three-way links)

One Way Link

Reciprocal Links

Three Way LinksOs links com maior importância são os links num sentido já que a troca de links perdeu parte do seu valor devido à forma abusiva com que estava a ser usada.

A perda de valor das trocas de links deve-se em grande parte ao facto de os links serem colocados em páginas criadas exclusivamente para esse efeito, as chamadas “link pages”. Eram páginas com um grande número de links e em que muitos dos quais eram para sites em que o tema nada tinha a ver com o tema do site original. Imaginem um site de gadjects a fazer troca de links com um site de produtos farmacêuticos, para os visitantes não oferecia qualquer beneficio tentando apenas manipular os resultados dos motores de busca. As trocas de links devem ser feitas com sites do mesmo tema e sem exagero.

O google como sempre está atento e começou a penalizar a troca de links e a beneficiar mais os links num sentido. Esse tipo de links como sabemos são mais difíceis de obter (mas por causa disso as reviews pagas aumentaram) já que poucos webmasters gostam de oferecer links desta maneira.

As redes de trocas de links tornaram mais fácil para os motores de busca com a detecção de padrões repetidos e a utilização de textos ancora sempre iguais ajudam a saber se a troca de links é um caso de spam ou se se tratam de links com valor. Usando redes de troca de links os webmastes apenas usam um texto ancora no sistema automático e com uma simples análise aos backlinks permite detectar centenas de links para o site exactamente iguais.

Existem dicas que podem ser usadas para evitar isto. Mesmo que a troca de links verdadeira se se mantiver sempre o mesmo texto ancora pode ser detectada como sendo spam. Por exemplo se quisermos classificarmo-nos para a pesquisa “ganhar dinheiro” podemos usar outras variações que usem mais palavras chaves mas que mantém os termos pretendidos com:”como ganhar dinheiro”, “os segredos para ganhar dinheiro” ou “tu queres ganhar dinheiro”. Como podem ver as principais palavras chaves são mencionadas e não se tornam assim repetitivas o que origina um melhor ranking nos motores de busca especialmente no google que se tem tornado tão esquisito em relação a isto.

Com isto já sabem sempre que possível usem textos ancora diferentes e se acham que determinado artigo ou blog merece uma visita dêem-lhe um link. Não vai perder nada com isso e se o beneficiado do link reparar com certeza vai retribuir o gesto.

Será um problema português?

Todos nós nos queixamos que queremos mais dinheiro e que se for sem fazer nada ainda melhor. Mas será isto verdade? Será que realmente queremos o dinheiro?

Quando falo em “nós” estou a referir-me aos portugueses em geral porque eu claro que quero dinheiro e muitos de vocês também. Mas nem todos. Podem pensar que estou maluco e que toda a gente quer dinheiro mas é mentira.

E até posso provar isto e se calhar alguns de vocês até tem esta experiência com algum concurso que fizeram. O Francisco do alojagrátis.org organizou um concurso em que para participar bastava assinar os RSS feeds por email para entrar. Uma tarefa simples e que até facilitava o acompanhar do blog para esperar pelos resultados. No dia 29 de fevereiro lá efectuou o sorteio mas até agora nem sinal do vencedor. Já se passaram 3 semanas e nem sinal do vencedor nem dos suplentes. Parece que ninguém quer os 30€ de prémio. Ele até escreveu um novo texto a pedir para eles aparecerem mas nada. Se ainda fosse para pagar mas é para receber 30€ o que não é nada mau.

Isto resume um pouco o que se passa em portugal. Muito falatório, muitas queixas mas quando chega a altura de agir ninguém aparece. Se queremos triunfar temos de ter persistência e empenho no que fazemos. As coisas não aparecem do céu. Cada vez mais hoje em dia a concorrência é maior e mais feroz. Quem deixar as coisas andar a ver no que dá não vai ter grande sucesso com certeza. É preciso pensar e agir não basta apenas pensar no que está mal e queixar-se à espera que alguém resolva o problema deles.

Se calhar o vencedor até pensou no que podia fazer com os 30€ de bónus que podia ganhar mas ficou-se por ai. Pensou nisso mas depois nem se quer viu se ganhou ou não. E este não é caso único.

Se calhar estou enganado e este é um problema presente em todos os países mas talvez por estar cá parece-me que em portugal é bem pior.

Que acham tenho razão ou não estou a ver as coisas pelo lado correcto?